Como educar uma criança: bater ou não bater?



     A resposta breve e enfática à pergunta "Devo bater em meu filho?" é não. Sei que se trata de algo muito mais fácil de ser dito do que de ser feito - e admito ter dado certas palmadas no traseiro de meus filhos em uma ou duas ocasiões, mesmo sabendo que pouco bem fariam e de seus danos potenciais. As informações que possuímos sobre os efeitos da punição física, o que inclui o bater, parecem-me tão claras que é possível uma resposta firme à pergunta.



A curto prazo, bater em uma criança costuma fazer com que ela interrompa determinado tipo de comportamento que desagrada a você, além de parecer causar um efeito temporário de reduzir as chances de a criança repetir o comportamento errado. Pelo fato de ser o que você queria, pode parecer uma boa estratégia. No entanto, até mesmo a curto prazo, há alguns efeitos colaterais negativos. A criança, pode ter interrompido o mau comportamento, embora, após o bater, ela esteja chorando, o que é desagradável. O choro é ainda um comportamento que mais espancamento não irá reduzir: é virtualmente impossível fazer com que crianças parem de chorar batendo nelas! Daí que você substitui algo desagradável  por outra coisa também desagradável, sendo que a segunda (o choro) não pode ser tratada com a mesma forma de punição.

Outro efeito colateral a curto prazo é o fato de que você está sendo reforçado por bater, sempre que a criança cessa o mau comportamento após ser espancada. Daí que você está sendo "treinado" para usar o bater da próxima vez, sendo iniciado, assim, um ciclo.

    A longo  prazo, os efeitos são, sem dúvida, negativos. Primeiro, quando você bate, a criança o observa utilizar a força ou violência física como um método de solução de problemas ou para fazer com que as pessoas façam aquilo que você quer. Estará servindo de modelo próprio para um comportamento que você não quer que seu filho utilize com os outros.




    Segundo, através da colocação repetida de sua presença junto com o evento desagradável ou doloroso do espancamento, você está desvalorizando seu próprio valor positivo junto à criança. Com o passar do tempo isso significa que você está menos capacitado a utilizar qualquer espécie de reforço de maneira eficiente. Finalmente, até mesmo um elogio ou afeto seus terão menos poder para influenciar o comportamento de seu filho. Trata-se de preço bastante alto a ser pago.

    Terceiro, há, com freqüência, uma mensagem emocional subjacente bastante forte junto do espancamento - raiva, rejeição, irritação, desgosto em relação à criança. Até mesmo crianças muito pequenas lêem com muita clareza essa mensagem emocional (Rohner, Kean & Cournoyer, 1991). O bater auxilia a criar um clima familiar de rejeição, ao invés de afetuoso, com todas as conseqüências negativas acompanhantes.

    Finalmente, há evidências de pesquisa que dizem que as crianças mais espancadas costumam, com maior freqüência, evidenciar níveis mais elevados de agressão e menos popularidade entre os companheiros, auto-estima mais baixa e maior instabilidade emocional (Rohner et aI., 1991). Elas são menos obedientes com os adultos (Power & Chapieski, 1986). Não são resultados que os pais desejam para seus filhos.

    Não estou dizendo que você jamais deva punir um filho. Estou dizendo que punição física, como o espancamento raramente (ou jamais) constitui uma boa maneira de se fazer isso. Entretanto, que outras formas de controle seriam eficientes? As punições mais eficazes - as que produzem mudanças a longo prazo no comportamento da criança, sem efeitos colaterais indesejados ou negativos - são as utilizadas bem cedo, em determinada seqüência de mau comportamento, com o mais baixo nível de emoção possível e o mais leve nível de punição possível (Patterson, 1975; Holden & West, 1989). Tirar de circulação um brinquedo, quando a criança o usa pela primeira vez para estragar os móveis (ou bater em um irmão), ou, de maneira consistente, acabar com pequenos privilégios, quando a criança se porta mal, mudarão seu comportamento, sobremaneira se os pais são afetuosos, consistentes e firmes quanto às regras. E bastante menos eficiente esperar até que os gritos tenham atingido a um nível agudo, ou até que, pela quarta vez, um adolescente tenha saído de casa sem dizer para onde iria para então gritar, xingar e punir com rigor.
Se você foi criado em uma família em que o bater constituía o método-padrão, pode, simplesmente, não conhecer ainda outras formas. Se você é um destes, aulas sobre parentagem - comumente oferecidas por escolas da comunidade ou por outras organizações comunitárias - podem ser úteis.



Extraído de:







BEE, Helen L. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 656 p.

Links Interessantes:


Leis contra a palmada: Bater em criança é covardia

Maternar Consciente: Bater em criança é o crime perfeito

Reações:

37 comentários:

  1. Discordo do seu texto. Umas boas palmadas, se bem aplicadas, com certeza disciplinam. Não se pode generalizar, da forma como você escreve em seu texto, que palmadas são ineficientes. Na sua graduação, você aprendeu o que a teoria diz. Na prática, diferentes crianças devem ser disciplinadas de diferentes formas. Comigo mesmo, conversa, abstinência de brinquedos, castigo, nada me incomodava. isto nunca foi me levou a me questionar se estava fazendo algo errado ou não. Umas boas cintadas de meu pai sim me faziam pensar sobre o que eu havia feito. Em contra partida meu irmão nunca apanhou e para ele bastava uma conversa sobre o quão decepcionados meus pais estavam com ele para ele ficar se remoendo por semanas, pensando em como ele faria para que meus pais não se decepcionassem com ele novamente. Nunca apanhei sei saber o porquê e isto é o ponto chave. Palmadas sem razão ou sem explicação é violência gratuita. Apesar de ter apanhado inúmeras vezes de meus pais, não tenho nenhuma mágoa, pelo contrário, admiro eles ainda mais pela educação que me deram.

    ResponderExcluir
  2. Existem inúmeras maneiras de se disciplinar uma criança muito mais eficientes do que bater. Bater (dar umas palmadas), é inevitável, pois ERRAR é da natureza humana. Agora utilizar essas palmadas como método constante e educativo sói rá trazer prejuízos tanto pro processo de formação da personalidade da criança quanto à sua imagem frente a seu filho. Poderia as palmadas terem funcionado conosco? Sim! Mas os tempos eram outros. As crianças e muito menos os pais não tinham tanto acesso às informações quanto hoje.
    Eu por exemplo, lembro que meu pai me bateu várias vezes pensando ser a melhor maneira de me educar. Esse método matou muitos momentos de conversa que poderia haver entre nós, me afastou muito dele e me fazia ter medo de toda vez que eu o via. Daí cria-se um ambiente de medo e a relação pai-filho deixa um pouco a desejar. Não tenho mágoas do meu pai por isso, por que penso que ele pensava que estava fazendo o melhor pra mim, ou seja, suas intenções eram boas. Mas vou fazer de tudo pra jamais ter que encostar um dedo sequer no meu filho. Aliás, nesse ponto meu curso ajuda muito. Vamos ver coo a teoria funciona na prática...

    Abraços Rafael.

    ResponderExcluir
  3. O comentário do Rafael se tornou mais coerente do que todo o texto colocado. Acredito que as palmadas quando bem aplicadas tem poder educativo melhor do que horas de conversa. A grande parte da sociedade hoje é reflexo de textos como este, jovens cada vez mais sem limites, que acham que podem tudo.

    ResponderExcluir
  4. Josué, você tem todo o direito de ter a sua opinião formada, mas eu penso que violência sempre gera violência. É claro que o pai que dá uma palmadinhas no seu filho age sempre pensando que está educando-o. Mas é na maneira que essa criança recebe (ou subjetiviza) essas palmadas é que está o problema. A sociedade é reflexo de jovens sem limites não por falta de palmadas, mas por falta de dar educação. A única maneira que os pais de antigamente sabiam educar era batendo, mas hoje temos inúmeras informações de como fazê-lo e bem feito, sem precisar agredir física e psicologicamente a criança.

    Os limites não são impostos pelos pais por que muitas vezes trabalham o dia todo, e quando passam o final de semana com o filho, deixam ele fazer tudo pra compensar a falta dele durante a semana. Outras vezes os pais deixam que a Tv eduque seus filhos. Ou seja, o que mudou não foi a inclusão ou a retirada das palmadas, mas foi a postura dos pais perante seus filhos numa sociedade completamente diferente daquela que nos fomos educados.

    ResponderExcluir
  5. isso ai rafael ,ensina pra eles.cambada de noobs que acham que a sua vida tem que servir de parametro pros outros.kkk

    ResponderExcluir
  6. Eu sou contra a violencia sem sentido e por qualquer coisa mas nao sou contra "palmadinhas' minha filha apanha muuuuito de vez en quando, e so por coisas graves, por ex; ela nao quer copiar as tarefas da escola, o caderno vivía imcompleto, eu conversaba, falaba que ia premiar ela se ela trabalhase e nada... ate que nao aguentei mais e um día quando vi o caderno dela em branco dei umas palmadas e falei que se voltasse com o caderno assim apanhaba de novo... o caderno dela agora esta uma maravilha. Concordo com o Rafael depende muito da crianca.

    ResponderExcluir
  7. Quem escreveu o texto não deve ter filho.

    ResponderExcluir
  8. Você gosta de ver seu filho batendo nos outros? Como é então que você bate nele?

    A carga emocional negativa que você despejou quando bateu no seu filho: você acha que isso fez bem à ele?

    Não estou discordando totalmente de você. Existem crianças mais fáceis e existem crianças mais difíceis. As palmadas não são ineficientes, ao contrário, mostram resultados ali na hora. É só o pai virar as costas que o efeito parece que some. É como o caso de crianças que só se comportam quando o pai está perto, e quando fica com a mãe pintam o sete. Isso é respeito pelo pai? Certamente não. Isso se chama medo.

    Ao invés de premiar, você poderia utilizar o reforço negativo: ao invés de acrescentar algo você tiraria algo se ela não fizesse a lição. Por exemplo, se ela fizesse a lição todos os dias ela poderia ficar por uma hora jogando no computador. Se ela não fizesse, você deixaria-a sem computador, sem tv, etc.

    O fato é que muitos pais (não estou falando necessariamente de você), acham mais fácil bater do que utilizar esses métodos que, apesar de demorar certo tempo, mostram resultados muito mais eficazes e com muito menos efeito colateral. Todavia a comodidade e o ensejo por resultados instantâneos fazem com que tomem as atitudes mais drásticas possíveis.

    ResponderExcluir
  9. No Brasil é assim, cheio de especialista em tudo e a coisa continua piorando, porquê na época dos nossos pais e avós, avia mais respeito ? Com professores, com as pessoas nas ruas, o respeito era fundamental, agora a coisa se perdeu, apareceu um bando de idiotas inventando um monte de baboseiras, e agora me respondam, MELHOROU ? Nossos jovens como estão ?EU AGRADEÇO CADA PALMADA E CADA CHINELADA QUE MINHA MÃE E MEU PAI ME DERAM NUNCA SENTI NEM UM POUCO DE RAIVA POR ISSO, ACHO ATÉ QUE DEVERIA TER APANHADO MAIS, NA MINHA CASA ESCREVEU NÃO LEU O PAU COMEU.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui dessa epoca, tudo que fazia minha mae de batia, mas não achava certo. pois via que o afeto entre mim e ela ia ficando restrito, não era respeito,e sim medo que eu sentia por ela. hoje tenho um filho, não vou dizer que ja não lhe dei umas palmadas,mas me arrependi depois. procuro conversar ao maximo com ele. ate criei o CANTO DA DISCIPLINA ,e ele teme muito, pois não quero que ele tenha medo de mim, quero que ele me respeite e que não perca o afeto por mim, por sempre o dou.

      Excluir
  10. Na época dos nossos pais e avós havia mais respeito? Leia-se medo. E também na época dos nossos pais e avós a criança não sofria tanta influência que não do convívio familiar: quem educava eram os pais. Hoje quem educa é a babá, a empregada, a Televisão, a internet e em último lugar os pais. Agora vai querer socar a mão no menino só por que você (pai) não soube educá-lo?

    Eu não sou especialista (ainda), mas quem escreveu este texto certamente o é. Meu pai me bateu muitas vezes e observando hoje em dia nenhuma das vezes foi necessário. Eu nunca, jamais em hipótese algumas encostarei a mão em meus filhos, pelo menos não premeditadamente. Conheço pessoas que nunca apanharam e são excelentes pessoas. O que se vê? A educação. Os jovens podem até estar sem respeito, mas isso não é culpa da ausência de palmadas, como eu disse, é ausência de uma educação eficaz.

    ResponderExcluir
  11. Odeio estes textos fora da realidade. Parece coisa de gente que não tem filhos, nunca esteve perto de uma criança, nunca pisou numa escola lotada de crianças.

    Não adianta generalizar. Existem pessoas que nunca apanharam e são excelentes pessoas. Existem pessoas que apanharam quando criança e são excelentes pessoas. Existem pessoas que nunca apanharam e são péssimas pessoas.

    Concordo totalmente com o Rafael.
    Diferentes crianças são educadas de diferentes formas. E o texto começa falando em bater e depois a palavra usada é sempre espancas. Bater, dar umas palmadas pra educar é diferente de espancar uma criança.

    Infelizmente hoje tudo traumatiza a criança para algumas pessoas, não pode falar não porque vai traumatizar, não pode dar umas palmadinhas quando necessário porque ela vai ficar insensível e querer resolver tudo com violência. Não é bem por aí. Palmadas na criança, explicando porque ela está apanhando (apanhando, não sendo espancada) é uma forma de educar que não vejo problema.

    ResponderExcluir
  12. Como você pode ler no primeiro parágrafo d texto, a autora diz "admito ter dado certas palmadas no traseiro de meus filhos em uma ou duas ocasiões, mesmo sabendo que pouco bem fariam e de seus danos potenciais."

    Escola lotada de crianças? Você está querendo dizer que as professoras também devem surrar seus alunos? (pois eles são muito piores em grupos do que sozinhos).

    E você deve observar também que há pessoas que apanharam até urinar pelas calças que são péssimas pessoas (eu por exemplo conheço várias. Então onde está o erro? É no bater? Claro que não. Já disse e repito, é no saber educar.

    ResponderExcluir
  13. Sempre levando as coisas para o lado que convém. Escola lotada de crianças mal educadas e que não respeitam os professores e funcionários da escola. Muitas ouvem os professores? Sim! Muitas não ouvem? Sim! Estou dizendo que as professoras deviam surrar( surrar?) os alunos? Não! Apenas um exemplo que dei, que dentro das escolas você pode encontrar várias crianças que sabem se comportar apenas conversando e outras não.

    Como eu disse, não se pode generalizar nada. Existem pessoas que apanharam até urinar pelas calças que são péssimas pessoas e existem pessoas que nunca levaram nem um tapinha que também são. Também conheço os dois tipos. Mas também conheço vários que só com muita conversa e tirando coisas que gostam, não mudaram o comportamento, mas depois de umas palmadas sim.

    Como eu disse, não se pode generalizar e nem aumentar as coisas. Dar umas palmadas pra educar é uma coisa, que funciona com algumas crianças mas não funciona com outras, agora SURRAR e ESPANCAR são coisas totalmente diferentes.

    ResponderExcluir
  14. Desculpe pela minha exacerbação (do surrar), foi só a emoção. Mas analisando pela ótica mais racional, eu não tiro de todo a sua razão, pois generalizações só servem para impedir o avanço do que quer que seja.

    Mas nós nunca saberemos se as pessoas que apanharam não tivessem apanhado seriam pessoas melhores ou piores, muito menos se as pessoas nunca apanharam tivessem apanhado seriam piores ou melhores. Não dá pra saber.

    Portanto, devo concluir, que cada pessoa possui um sistema sob o qual ela aprende melhor. Se os pais usam apanhar e não dá certo, tente outras alternativas. Se muitos pais não batem e o filho não respeita, eduque com uma varinha fininha. Os meios de educar são múltiplos, use o que menos trará prejuízos ao desenvolvimento bio-psico-social do seu filho e vamos ver se a próxima geração saia mais educada.

    ResponderExcluir
  15. Odacyr... vc acha que eu bati na minha filha antes de tentar mil castigos? pra ela nada importaba, tirar computador, passeios, cheguei a tirar todos os brinquedos do quarto dela e nada, depois parti para o lado "positivo" daria premios se ela completaba as tarefas e nem assim eu consegui, eu nao bati nenhuma vez o ano passado so que esse ano ela ja esta mais velha e tem que aprender a valorizar a educacao, ela nao tem nenhum problema (ja levei a especialistas) ela tem e preguisa de escrever.
    Vc tem direito a sua opiniao mas nao tem direito de criticar os outros.

    ResponderExcluir
  16. V, eu não critiquei você, apenas formulei minha opinião partindo da sua premissa. Não sabia que você já tinha utilizado outros métodos, e é claro, que o pai conhece seus filhos melhor do que ninguém, e ninguém tem nada a ver com o que ele faz o deixa de fazer com eles, desde que se importem em dar uma boa educação pra eles. Você faz isso e parece que o faz bem, feito. Não tenho nada mais a declarar.

    ResponderExcluir
  17. Agora sim Odacyr, concordo com você.

    Generalizações só servem para atrapalhar com certeza.

    Para mim, bater deve ser o último recurso. Primeiro tem que tentar conversar muito, tirar o que a criança gosta e, como um dos últimos recursos antes de procurar alguma ajuda de fora, dar umas palmadas.

    ResponderExcluir
  18. FATO
    algumas vezes só umas boas palmadas resolve
    foi assim com minha mãe foi assim comigo será assim com meus filhos
    essa balela de que prejudica a mente da criança é besteira dos falsos moralistas de plantão .
    eu levei várias vezes e nem por isso tou matando ou robando por ai ou com remorço dos meus pais ou pegarei uj arma e sairei atirando pra todos os lados
    e outra olhem aquele velho ditado
    MÃE QUE NÃO FAZ O FILHO CHORAR, CHORA POR ELE
    e quantas mães eu conheço por ai que hoje tão chorando pelos filhos.

    ResponderExcluir
  19. ACREDITO QUE CADA UM TENHA SUA OPINIÃO, MAS FALO POR MIM, SE MINHA MÃE NÃO TIVESSE ME DADO UMAS PALMADAS QUANDO CRIANÇA, CONCERTEZA TERIA FEITO MUITAS COISAS ERRADAS NA VIDA, PORQUE NUNCA USEI DROGAS QUANDO CRIANÇA POR MEDO DE APANHAR, E DEPOIS POR OPINIÃO,HOJE OS FILHOS NÃO RESPEITÃO OS PAIS E VEJA COMO ESTÁ NOSSA SOCIEDADE, NOSSAS ESCOLAS, PENSEM BEM, NÃO RESOLVE MESMO?

    ResponderExcluir
  20. Mas não podemos jogar a culpa do comportamento das crianças de hoje na falta de surra. Os pais de hoje em dia têm muito menos tempo pra passar com seus filhos, deixam a educação, como já disse, por conta da tv, da internet, da empregada e da escola, quando a função é majoritariamente dos pais.

    ResponderExcluir
  21. Eu sou contra espancar uma criança,mas dar palmadas leves para ensinar isso não faz mal nenhum, eu mesmo,tenho 16 anos ,eu nunca liguei quando meus pais conversavam comigo,falava de primeiro momento que ia melhorar,mas depois nem ligava,quando de vez em quando eu apanho ,eu sei o motivo e dou razão quando eles estão certos,mas para você ,tem vezes que nem ligo, e não dou a minima importância,meu irmão é bem mais teimoso e apanha mais,só que ele já melhorou por que ele não quer apanhar de novo.Por isso eu acho que depende da pessoa tem gente que uma conversinha já basta,e outra precisam de umas boas palmadas

    ResponderExcluir
  22. Eu acho que bater nos filhos é errado, porque a minha mãe me bataia muito e meu pai também, e hoje guardo muito ódio deles.

    ResponderExcluir
  23. Eu acho que odiar sempre corroi muito mais quem odeia do que quem é odiado. Eu também já apanhei do meu pai, acho que não deveria ter apanhado, ou pelo menos não tantas vezes, mas nem por isso eu vou odiá-lo. Amo-o como se nunca houvesse encostado a mão (ou o chinelo para ser mais exato) em mim; ao contrário, compreendo que esta era a maneira que ele sabia educar e que na cabeça dele aquilo era o melhor que ele poderia nos oferecer, então o que vale é a intenção.

    ResponderExcluir
  24. na minha opinião bater não é errado,mas devemos lembrar que só em ultimo caso,pois se por qualquer coisa batermos em nosso filho quando realmente ele precisar de umas chineladas não vai resolver mais.Meu filho tem quatro anos e eu so bati nele uma vez pois bateu em sua avó e eu tinha que fazer alguma coisa e sem pensar bati nele mais me arrependo,o bom é que ele nunca mais fez isso ele tinha dois anos dei dua chineladas no bumbum dele mais quando fui dar banho nele eu chorei pois tinha ficado a marca,hoje eu aposto nos metodos da supernanny,são otimos.sempre falo ao nickollas que se ele aprontar ele vai apanhar então como ele tem medo sempre para ante que eu fique "p" da vida.eles são muito inteligentes,sou pedagoga.

    ResponderExcluir
  25. dou sempre umas palmadas na minha filha e sempre resolve,não sei a quem ela puxou é muito teimosa e desebediente então eu bato mesmo sempre falo sofia se vc fizer isso eu vou te bater e ela fala "bate"ai eu vou e bato pois ela me desafia,se eu deixa passar perco o respeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você deixar passar perde o respeito?

      Pelo jeito sua filha não te respeita e nem tem medo de você(porque mesmo batendo nela ela não te obedece), o fato dela não ter medo de você até é bom, pois: O que é pior que um filho que tem medo de seus pais?

      Você precisa aprender que existe uma diferença entre medo e respeito.

      Por exemplo eu: Um dia eu pisei em um piso que meu irmão disse que não podia pisar (eu não sabia que não podia porque não tinha o escutado), ele foi lá e apertou meu braço com muita força, eu achei que ele ia quebrar meu braço(ele é aqueles homem musculoso, forte) e disse que eu não tinha respeito por ninguém, e quando ele se cansou ele me soltou, eu chorei muito, muito mesmo porque senti muito medo dele.

      Moral: Ele não teve meu respeito, só houve medo. Até hoje tenho medo dele e não falo com ele desde o ocorrido. Antes eu o amava agora só resta medo e magoa.

      Você pode falar que eu não entendo porque ainda sou criança, mas prefiro ser criança para sempre se quando eu crescer eu me tornar como você.

      Excluir
  26. devemos lembrar que crianças são mais inteligentes do que realmente imaginamos,tiro de letra ha seis anos sou professora de educação infantil,tenho um filho de três anos,não sou de bater nele,mais quando ele me tira do serio dou sim umas palmadas para ele refletir e lembrar que sou eu a sua mãe e não ele o meu pai.hoje fui a uma loja com ele para comprarmos um tenis,e o mesmo era para ele mais eu quem escolho,ele começou a fazer um escandalo na loja,eu sempre mantendo a minha postura de mãe,e trouxe o que eu achei melhor,não vou comprar um tenis feio so porque vem um carrinho,o brinquedo eu compro a parte,mais ele me deixou tão nervosa que disse a ele que ele não iria ganhar o brinquedo por causa da pirraça que ele fez.ai estavamos andando e ele chorando,chegou uma hora que perdi a paciência parei no meio da rua e olhei nos olhos dele e falei vc não está com fome,com sede ,sujo,machucado e nem muito menos apanhou pra estar chorando sem motivo portanto é melhor vc parar de chorar enquanto não tem motivo pois se vc fizer a mamãe perder o restinho de paciencia que me restou eu vou te bater no meio da rua mesmo ai vc vai ter motivos,ele na hora parou,e as pessoas passavam olhando pra mim,sabe a gente as vezes não precisa bater somente olha nos olhas da crianças e se impor se vc mãe disser não mantenha o seu não ate o fim assim seu filho sempre te respitara,meu marido por trabalhar durante o dia quando chega a noite sempre deixa o nichollas fazer o que quer mais comigo é diferente ,tenho esperiencia com crianças então ja lidei com tds os tipos..

    ResponderExcluir
  27. TENHO DOIS FILHO UM DE 2ANINH E OUTRO DE 1 GOSTO MUITO DELLES MAIS TEM HORAS QUE ELES MIM TIRAM DO SERIO QUEREM PEGA EM COISAS QUE NAO PODEM UM DIA LEVEI MINHA FAMILIA PRA UM SORVETERIA COMPREI SORVETE PRA TODOS MAIS NENOS PRA O HENRIQUE DE 2 ANOS QUE ELE ESTAVA MUITO GRIPADO MAIS ELE QUERIA E COMEÇOU A CHORA CHARA CHARA AI NAO AGUEMTEI MAIS PEGUEI ELE FALEI SE ELE NAO PARASE DE CHORA EU IA DA UMAS PALMADAS NELE E LAVA PRA CASA MESMO ASSIM ELE NAO PAROU I QUE EU FIZ PEGUEI ELE NAO BATI MAIS LEVEI PRA CASA SE VER TELEVISÃO MEIA HORA DEPOIS COLOQUEI ELE PRA DORMI
    AMO MEU FILHOS MAIS TEM HORAS E RARAMENTE EU DA UMA PALMADAS NELES

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E isso fez com que ele parasse de chorar em outras situações?

      Excluir
  28. Sou filho, nunca apanhei, e respeito meus pais, acho que ninguém devia apanhar, conversas sempre ajudam, pelo menos no meu caso.

    ResponderExcluir
  29. Tenho uma filha de 7 anos ....mas tenho até medo de ter outro filho. dá maneira que se comporta...No meu modo de pensar não acho que sempre conversando e fazendo punição resolvo..para mim esse metodo não está servindo ..pois minha filha só obedece quando dou umas palmadas nelas dependendo da gravidade que ela praticou ...mas hoje está dificil criar uma filho pois tem tudo facil e não valorizan um simples prato de comida na mesa...Já conversei de todas as maneiras expliquei coloco de castigo ..mas não resolve sempre com os mesmos problemas só melhora um pouco quando dar umas palmadas ....

    ResponderExcluir
  30. Rediculo esses psicologos de esquerdas querendo cagar regras para as pessoas, umas boas palmadas resolve sim, eu levei e até hoje em dia eu peço a bençao a minha mãe e aos meus tios e avôs, ao contrario da juventude de hoje, que eh um bando de animais. provalvemente os seus pais seguiram essa ideia idiota do Dr. benjamin spock.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu pai bater em você serve como um modelo de educação que provavelmente você fará com seus filhos. Ou seja, vai educá-los batendo neles.

      Excluir
  31. BANDO DE IDIOTAS, NÃO PERCEBEM O ERRO QUE ESTÃO CAINDO

    Só para lembrar, veja este trecho da reportagem: "Pelo projeto, atitudes para punir ou disciplinar não podem machucar nem causar nenhum tipo de dor. Crianças e adolescentes também não podem ser humilhados nem ameaçados". Isto significa que, se um estranho - qualquer pessoa - achar que você está "ameaçando" ou "humilhando", você poderá ser denunciado. Então pergunto: você aceita que o seu juízo seja trocado por qualquer pessoa, mesmo que seja um agente da lei?

    Agora, perceba a sutileza da Sra. Carmen Oliveira, subsecretária nacional de Direitos da Criança e do Adolescente: "A nossa preocupação é com palmadas reiteradas ou a palmada que vai à surra e que vai ao espancamento, que vai agravando a conduta de violência". Ué, o projeto diz que é proibido qualquer beliscão ou palmadinha, e mesmo a mera ameaça (ameaça do quê?) ou humilhação (repreender em público é humilhar?), ou tipifica a conduta apenas contra as reiteradas palmadas ou a palmada que vai à surra e ao espancamento? Observe como o governo quer - mais uma vez - vender gato por lebre.

    ResponderExcluir
  32. Ah! Eu quando criança e ate msm na adolecencia apanhei mt da minha mãe , na vdd ela me batia com tanta raiva que deixava marcas roxas e azuladas pelo meu corpo...
    Eu ainda lembro das vezes que apanhei , mts vezes por motivos tão insiguinificantes, outras por motivos relevantes ...
    Mas tb recordo-me que me batia msm , mas logo arrependia-se ...
    Ela se sentava comigo , me explicava a causa da punição, de certa forma akilo me ajudava a compreender ...
    Eu nunca senti raiva , eu ficava mt sentida , mas logo passava e sempre eu a via como uma super mãe independente d eter apanhado ou não ... e olha que ela fikava mt nervosa e ate msm quase cometia violencia pois ela batia com qlq coisa que tinha nas mãos , chinelos , cintos, varas e ate usava pequenos moveis da casa para bater , meu pai que a segurava mts vezes ...
    Em toda a minha vida eu apanehi do meu pai somente uma vez , e foi apenas uma cintada e fikei tão chateada , pois nunca havia apanhado dele ...
    Tenho 40 anos hj, sou uma pessoa super do bem , apanhar na infancia não me fez uma adulta violenta e nem me tornei drogada , viciada , revoltada e nem marginal.Sou mãe de dois meninos , 19 anos e 4 anos...
    O mais velho é uma amor de menino , não me da preocupaçoes em geral, não batia nele,evitava agir assim a, so quando era a arte era o extremo msm , ams era somente uns tapinahs no bum bum ...Jah o pequenininho apos completar 3 anos e meio começou mudar o comportamento dando inicio a birras , desobediencias e td mais ...mas entre td isso ele é extremammente carinhoso e companheiro , ou seja um garotinho mt doce,mas as vezes acho tb acabo lhe dando umas palmadas ...mas explico pra ele o pq agi assim , mas que não é do meu agrado e nem me faz feliz fazer isso ... Ele não é uma criança violenta, se da mt bem com os maiguinhos na escola e não tem reclamação de natureza nenhuma , pelo contrario, so recebo elogios pelo comportameto dele na escola , e como eu jah disse as professoras referem se a ele como uma criança maravilhosa, carinhosa e mt companheiro,
    Quando essta em minha compahnhia , não me larga para nada , vive me braçando e me beijando e revelando o seu amor por mim ... e diz da forma mais linda do mundo ... que eu sou a mae dele a mae mais maravilhosa do mundo ...
    Então sera msm que umas palmadinahs e tão errado assim ??
    Olha eu sempre estou lendo artigos sobre isso,pois acho que esse assunto e mt polemico msm , pois e uma situação dificil ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como eu disse, cada um reage às "palmadas" de maneira diferente. Eu tenho uma prima que o pai dela cansava de bater nela e, quanto mais ele batia, mais rebelde ela ficava. Nós somos seres idiossincrásicos e por isto devemos aprender a se comportar de cada maneira com o filho, embora continue acreditando que castigos físicos sejam a pior opção para educar alguém.

      Excluir

*-*

*-*
Curta Peripécias Psicológicas